Topo
pesquisar

Guerra Russo-Japonesa

Século XX

A Guerra Russo-Japonesa foi um conflito que aconteceu entre 1904 e 1905, no qual japoneses e russos disputaram o controle da Manchúria e de Port Arthur.
Diplomatas japoneses e russos reunidos durante as negociações que levaram ao Tratado de Portsmouth*
Diplomatas japoneses e russos reunidos durante as negociações que levaram ao Tratado de Portsmouth*
PUBLICIDADE

A Guerra Russo-Japonesa foi um conflito travado pela Rússia e pelo Japão no começo do século XX, mais precisamente entre 1904 e 1905. Esse conflito aconteceu por conta da disputa territorial entre os dois países pelos territórios da Manchúria, Port Arthur (localizada na península de Liaodong) e da Coreia. Esse conflito marcou a ascensão regional do Japão como potência e evidenciou a decadência do regime czarista que comandava a Rússia.


Antecedentes

Para entendermos as causas dessa guerra, é importante que se entenda o processo de transformações que aconteceu no Japão ao longo do século XIX. Em 1868, o Japão passou pela Restauração Meiji, evento que foi responsável pela restauração monárquica no país e que serviu de estopim para um intenso processo de modernização que resultou na industrialização e no crescimento econômico do país.

A modernização do Japão nessa segunda metade do século XIX foi acompanhada de um forte crescimento do nacionalismo no país, visto pelos historiadores como uma forma que o Japão encontrou para garantir sua soberania. Essa reação aconteceu porque havia um grande temor de que a interferência estrangeira que acontecia na China também acontecesse no Japão.

Acesse também: Guerras do Ópio

Todo esse processo de modernização e de crescimento do nacionalismo no Japão resultou em uma demanda, tanto do povo quanto dos governantes, em estender os domínios do Japão. Assim, o Japão desenvolveu interesses imperialistas, e seu crescimento e fortalecimento foram realizados às custas da China.

Os interesses do Japão nos territórios dominados pelos chineses eram motivados pela necessidade de criação de colônias japonesas em novos territórios, como forma de amenizar a explosão demográfica do país, assim como de se obterem fontes de matérias-primas que dessem suporte para o crescimento da indústria japonesa. Por fim, tinham como objetivo alcançar novos mercados consumidores que absorvessem essa produção.

Os interesses japoneses na China materializaram-se com uma guerra que aconteceu entre 1894 e 1895 e que ficou conhecida como Primeira Guerra Sino-Japonesa. Essa guerra foi travada em decorrência do interesse japonês em obter o controle da Península da Coreia e teve como desfecho a vitória japonesa. Como nação vitoriosa, o Japão impôs pesados termos sobre a China, no entanto a interferência de russos, aliados com franceses e alemães, fez com que o Japão recuasse. Iniciava-se, então, a tensão entre russos e japoneses.

Essa rivalidade entre russos e japoneses foi causada, justamente, pelo choque de interesses entre as duas nações. Na prática, japoneses e russos passaram a disputar o controle das mesmas terras, Manchúria e península da Coreia, e do estratégico porto localizado em Port Arthur. Para os russos, o que estava em jogo era a manutenção de um acesso vital para o Oceano Pacífico. Para os japoneses, os interesses eram todos aqueles já citados.


Agravamento nas relações russo-japonesas e início da guerra

A tensão evidente entre russos e japoneses fez com que os dois lados procurassem aliados que pudessem atuar em seu benefício caso um conflito fosse iniciado. O grande destaque dessa questão foi a assinatura da Aliança Anglo-Japonesa, em 1902. Essa aliança entre ingleses e japoneses tinha como cláusula que as nações prestariam auxílio mútuo caso uma delas entrasse em guerra com uma terceira nação. Os russos, por sua vez, contavam com o apoio dos franceses.

Além do apoio inglês, os japoneses conseguiram, diplomaticamente, o apoio dos americanos em seus interesses nas disputas territoriais. Esses acordos diplomáticos deram confiança ao governo japonês para solucionar essa disputa pela via armada.

Essa opção tomada pelo governo japonês consolidou-se em uma investida contra os russos em 8 de fevereiro de 1904. Os japoneses organizaram um ataque surpresa a uma frota naval russa que estava estacionada em Port Arthur. Isso aconteceu sem uma declaração formal de guerra e foi baseado na estratégia japonesa em aproveitar o momento, pois sua frota estava reforçada com novos e modernos couraçados. Além disso, era importante antecipar, o quanto fosse possível, o ataque para impedir que os russos aumentassem suas forças.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A Guerra Russo-Japonesa estendeu-se ao longo de aproximadamente 18 meses. No início do conflito, a opinião internacional era de que a Rússia ganharia o conflito, pois havia impressão de que a Rússia era uma potência econômica e militar. No entanto, o que se viu ao longo do conflito foi a supremacia das forças japonesas, que, por terra ou pelo mar, sobressaiu-se ao poderio russo e conquistou a vitória.

A vitória japonesa aconteceu por uma série de fatores, que podem ser resumidos, essencialmente, na seguinte questão: o Japão possuía um exército moderno, com táticas e armamentos mais adequados, enquanto as forças russas eram obsoletas. Isso refletia diretamente uma grande diferença entre as duas nações: a tardia modernização da Rússia em relação a do Japão.

Além disso, a guerra agravou as situações econômica e social da Rússia. A crise econômica refletiu diretamente na paz social, desencadeando, nesse período, uma série de manifestações de trabalhadores por melhores condições de trabalho que agitou o país. No começo de 1905, por exemplo, o massacre em São Petersburgo, conhecido como Domingo Sangrento, espalhou revoltas pelo país.

Toda essa agitação, além dos resultados negativos no campo de batalha, refletiu diretamente no moral das tropas russas. Essa insatisfação evidenciou-se em um caso muito conhecido que ocorreu em junho de 1905, quando marinheiros do Encouraçado Potemkin rebelaram-se e mataram os oficiais do navio.

A batalha decisiva dessa guerra ficou conhecida como Batalha de Tsushima. Nesse conflito, a frota russa foi arrasada pela Marinha japonesa. Ao todo, os russos perderam 24 navios para os japoneses |1|. Após esse combate, o czar Nicolau II escolheu negociar pela paz, uma vez que as perdas russas econômicas e militares já eram muito grandes, e a instabilidade social ameaçava o próprio governo.

Leia também: Batalha de Tsushima

As negociações de paz aconteceram entre agosto e setembro de 1905 e levaram as nações à assinatura do Tratado de Portsmouth. As negociações entre russos e japoneses foram mediadas pelo presidente dos Estados Unidos da época, Theodore Roosevelt, e determinaram o fim dos interesses russos nos territórios disputados. Assim, a península da Coreia, a península de Liaodong e a Manchúria passaram ao controle do Japão.


Consequências

A Guerra Russo-Japonesa resultou, como consequência direta para a Rússia, no enfraquecimento do regime czarista, que, a partir desse momento, iniciou sua decadência, resultando na Revolução de Outubro de 1917. O enfraquecimento de Nicolau II no poder da Rússia tornou-se perceptível com os distúrbios que aconteceram no país em 1905.

No caso do Japão, a guerra colocou o país como uma potência regional e como um personagem relevante a ser considerado nas questões geopolíticas do Extremo Oriente. Além disso, sua vitória na guerra reforçou o nacionalismo e as ambições imperialistas do país. Na década de 1930, novas ações do Japão voltadas a essas questões aconteceram.

|1| FREIRE, José Miguel Moreira. Há cem anos a Guerra Russo Japonesa, consequências diplomáticas, equilíbrio internacional e europeu. Para acessar, clique aqui [texto em português de Portugal].

*Crédito das imagens: Everett Historical e Shutterstock

 

Por Daniel Neves
Graduado em História

SÉCULO XVI AO XIX
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Guerras Brasil Escola