Topo
pesquisar

Enola, o avião polêmico

Século XX

PUBLICIDADE

Na manhã de 6 agosto de 1945, o rápido sobrevoo de um avião sobre a cidade japonesa de Hiroshima foi seguido por um silencioso clarão que encerrava a Segunda Guerra Mundial. Naquele momento, as forças militares americanas realizaram aquele que seria o mais devastador ataque nuclear de toda a História. Como se o primeiro ato não fosse suficiente, a mesma terrível manobra também atingiu a cidade de Nagasaki.
 

  • O ataque nuclear que matou mais milhares de vidas inocentes

Por meio do lançamento de bombas de urânio, as forças militares estadunidenses promoveram o assassinato em massa de mais de 200.000 mil vidas inocentes. Mesmo tendo abatido boa parte das tropas do Eixo, o governo dos EUA alegava que essa manobra evitou a morte de um milhão de soldados que participariam da invasão das ilhas do arquipélago japonês. Apesar da justificativa, a realização de tal feito ainda desperta muita polêmica entre grupos políticos e historiadores.
 

  • Enola Gay: o avião que lançou a bomba atômica

A mais recente delas gira em torno de “Enola Gay”, o avião bombardeiro B-29 que participou diretamente nos dois ataques nucleares. Após executar a macabra tarefa de 1945, Enola serviu em diversas bases militares norte-americanas. Na década de 1980, foi aposentado e adquirido pelo Museu Aeroespacial de Washington, que promoveu um longo e minucioso processo de reconstrução da aeronave. Com fim do dispendioso trabalho, que durou uma década, ele ficou pronto para ser exposto ao público.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A primeira exposição da aeronave aconteceu em 1995, quando as explosões de Hiroshima e Nagasaki completavam exatos cinquenta anos. Nesse instante, a notícia da aparição fomentou uma acalorada discussão sobre qual o significado que Enola Gay teria ao assumir o posto de patrimônio histórico da Segunda Guerra Mundial. Para os grupos pacifistas, o avião que levava o nome da mãe do piloto Paul Tibbets deveria servir como um alerta sobre os terríveis erros cometidos no passado.

Não por acaso, estes mesmos pacifistas pediram que a exposição de Enola Gay fosse acompanhada por uma série de fotos que mostrassem os efeitos devastadores da bomba atômica.Os curadores da mostra, contudo, descartaram essa vinculação crítica à exposição da aeronave e preferiram evitar qualquer posicionamento mais claro sobre o assunto. Sem dúvida, esse silêncio ignora o lamentável fato de que a destruição da vida humana não pode ser permitida sob nenhuma hipótese.

 

SÉCULO XVI AO XIX
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Guerras Brasil Escola