Topo
pesquisar

Batalha de Khalkhin Gol

Século XX

A Batalha de Khalkhin Gol foi travada entre soviéticos (aliados dos mongóis) e os japoneses meses antes da Segunda Guerra Mundial.
PUBLICIDADE

A batalha de Khalkhin Gol aconteceu entre maio e agosto de 1939 e foi caracterizada por uma série de enfrentamentos entre as tropas soviéticas e as tropas do Exército de Kwangtung (exército japonês estacionado na Manchúria) na região fronteiriça da Mongólia com a Manchúria. O desfecho da batalha travada entre soviéticos e japoneses mudou completamente os rumos que a Segunda Guerra Mundial tomou.


Antecedentes

A relação entre União Soviética e Japão durante a década de 1930 era muito tensa. Naquele período, havia uma grande rivalidade entre as duas nações, sobretudo por causa das diferenças ideológicas que existiam entre os dois regimes. O Japão era uma nação extremamente militarista governada de maneira autoritária por um regime conservador. A União Soviética era uma nação autoritária governada pelo regime tirânico de Stalin.

A rivalidade entre as duas nações também se refletia nos acontecimentos históricos. No começo do século XX, Rússia (só se transformou em União Soviética a partir de 1917) e Japão enfrentaram-se na Guerra Russo-japonesa entre 1904 e 1905. Nesse conflito, os japoneses saíram vitoriosos, e os russos encararam a derrota como um grande vexame.

Acesse também: Guerra Russo-Japonesa

Essa rivalidade aumentou à medida que o Japão posicionou-se de maneira contrária ao regime comunista da União Soviética. Isso se refletia, inclusive, nos próprios quadros políticos do Japão, pois havia um grupo que considerava inevitável um confronto contra a União Soviética.

As relações entre as nações tornaram-se mais tensas por causa da Segunda Guerra sino-japonesa (1937-1945). O governo de Moscou passou a apoiar os comunistas chineses (liderados por Mao Tsé-tung) na luta contra as forças japonesas, as quais, desde 1931, invadiram parte do território chinês e inauguraram o Estado de Manchukuo, uma espécie de Estado fantoche dos japoneses na China.

Leia também: Revolução Chinesa

Por fim, havia uma antiga disputa territorial que envolvia uma região fronteiriça da Mongólia. Essa disputa era por um pedaço de fronteira da Mongólia com Manchukuo. Desde a instalação japonesa na região, o embate tornou-se mais intenso. O trecho disputado incluía uma faixa de terras que incorporava regiões que iam do rio Halala até um vilarejo chamado Nomonhan.

Negociações entre a Mongólia e os japoneses foram iniciadas em 1935, mas fracassaram, passando a impressão de que, diplomaticamente, essa questão não seria resolvida. As questões que envolviam a Mongólia relacionavam-se com os soviéticos porque a Mongólia transformou-se em uma nação comunista em 1924 e era uma espécie de Estado-satélite dos soviéticos.

Na década de 1930, ocorreram pequenos combates entre soviéticos e japoneses no que ficou conhecido como Incidente Changkufeng ou Batalha do Lago Khasan. Essa batalha aconteceu entre julho e agosto de 1938 na região próxima a Vladivostok.


A Batalha de Khalkhin Gol

Apesar de toda a tensão que existia entre a União Soviética e as forças japonesas de Manchukuo, a estratégia oficial do governo japonês era evitar que o enfrentamento acontecesse. Naturalmente, essa ordem desagradava profundamente ao grupo que defendia a luta contra os soviéticos e que mantinha uma postura hostil contra os mongóis.

Por causa da insatisfação desse grupo, as tropas estacionadas em Manchukuo iniciaram uma luta contra os soviéticos – mesmo sem a autorização do governo de Tóquio. O historiador Antony Beevor explica por que isso aconteceu:

[…] o Exército Kwantung, sem informar Tóquio, emitiu uma ordem permitindo ao comandante local agir como achasse melhor para punir os ofensores [os soviéticos]. Isso ocorreu, sob a chamada prerrogativa da “iniciativa em campanha”, que permitia aos exércitos movimentar tropas por razões de segurança em suas próprias áreas, sem consultar o Estado-Maior imperial1.

A luta entre soviéticos e japoneses foi iniciada oficialmente no dia 12 de maio de 1939, ou seja, essa batalha aconteceu antes do início oficial da Segunda Guerra Mundial (que aconteceu com a invasão da Polônia em 1º de setembro de 1939). O evento que levou ao início desse enfrentamento foi o seguinte: elementos da cavalaria mongol cruzaram o Khalkhin Gol (rio Halala) para que os cavalos pudessem pastar nas estepes além do rio. Essa região era o território no qual havia um litígio (demanda) entre mongóis e japoneses. A cavalaria estabeleceu-se nas redondezas do vilarejo de Nomonham. A presença dos mongóis na região foi entendida como um desafio pelos japoneses, que abriram fogo, forçando a cavalaria mongol a fugir da região.

A resposta aconteceu duas semanas depois, quando tropas soviéticas foram enviadas para conquistar Nomonham, o que aconteceu em junho de 1939. Com esses enfrentamentos, o governo soviético agiu e destacou Georgy Zukov para organizar a defesa dos soviéticos na Mongólia. Zukov promoveu o envio de novos reforços e a organização das instalações de defesa. Os japoneses, por sua vez, destacaram Komatsubara Michitaro.

Logo os japoneses organizaram novos ataques, dessa vez, realizados por sua força aérea (os ataques acontecerem entre junho e julho). Nesse período, os japoneses também conseguiram conquistar posições estratégicas na região. Enquanto isso acontecia, os soviéticos organizavam-se para dar uma resposta à altura.

Zukov colocou em funcionamento uma tática que os russos nomeiam de maskirovka. Essa tática consiste basicamente em enganar as tropas adversárias, passando-lhes a impressão de que medidas para reforçar as defesas estão sendo realizadas. Enquanto isso acontecia, secretamente, eram realizados esforços para fortalecer as forças soviéticas e realizar um ataque em breve. Os soviéticos passaram a enviar reforços durante a madrugada e a escondê-los, passando a impressão de que suas forças eram bem menores do que de fato eram.

As forças organizadas por Zukov ultrapassaram a faixa dos 50 mil homens, que no campo de batalha receberiam o apoio de centenas de blindados (tanques) e de aviões de guerra. Com as suas forças aumentadas, os russos iniciaram um novo ataque em 20 de agosto de 1939. De início, houve um ataque da infantaria ao centro como manobra de distração. Enquanto isso, a cavalaria mongol e as divisões blindadas flanquearam os japoneses e atacaram-nos pela retaguarda.

Os japoneses encontraram-se em uma situação delicada, mas por causa de sua cultura, que não aceitava recuos e derrotas, as tropas do Japão encararam a luta abertamente. O resultado foi desastroso: os japoneses acumularam mais de 61 mil baixas. Os soviéticos tiveram 23 mil baixas.

Diante desse necessário e do impacto da assinatura do pacto de não agressão, os japoneses colocaram fim a qualquer tentativa de continuar com essa luta e, assim, a derrota japonesa foi consolidada. O fim oficial da batalha aconteceu em 31 de agosto de 1939.


Qual é a relevância dessa batalha?

Apesar de pouco conhecida, a batalha de Khalkhin Gol é considerada determinante para os rumos que a Segunda Guerra tomou. Isso porque, em 1939, havia uma divisão muito forte nos quadros políticos do Japão a respeito da estratégia a ser tomada pelo país no futuro. Um grupo defendia um confronto contra os EUA e as nações do sudeste asiático, e outro defendia o combate contra a União Soviética.

Em virtude da derrota sofrida em Khalkhin Gol, o grupo que defendia a guerra contra a União Soviética enfraqueceu-se. Com isso, a estratégia do governo japonês voltou-se para a luta contra a presença dos Estados Unidos na Ásia e para conquistar as colônias do sudeste asiático. Assim, tomou-se o rumo que levou ao ataque de Pearl Harbor e à entrada dos EUA na guerra.

Clique também: Ataque a Pearl Harbor

Por fim, outro ponto de destaque é que, caso os japoneses tivessem atacado os soviéticos, o governo de Moscou provavelmente não teria tido condições de resistir aos seus inimigos, pois as forças que lutaram obstinadamente contra os nazistas teriam de ser divididas, o que enfraqueceria as defesas dos soviéticos.

1BEEVOR, Antony. A Segunda Guerra Mundial. Rio de Janeiro: Record, 2015, pp. 24-25.

*Créditos da imagem: IgorGolovniov e Shutterstock


Por Daniel Neves
Graduado em História

DEIXE SEU COMENTÁRIO
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Guerras Brasil Escola